Hoje fiquei vendo um exercício de probabilidade na aula de estatística, o exercício dizia o seguinte:

Uma moeda é lançada 10 vezes. Qual a probabilidade de:
a) Sair 5 vezes a face "cara".
b) Sair no máximo 9 vezes a face "cara".

Logo imaginei uma forma de descrever esta situação para o computador. Escrevi a seguinte frase:

objeto moeda
  possui faces(cara, coroa)
  quando jogar
    sortear faces

sortear moeda

Pensando nesta declaração, codifiquei a seguinte declaração em ruby:

objeto "moeda"
possui :faces => ["cara", "coroa"]
quando "jogar" {
  sortear :faces
}

Apartir do código acima, é possível executar o seguinte código:

moeda.jogar

Agora pensei, falta implementar o método, então vamos lá! Primeiro é necessário criar um método que permita eu declarar um objeto como:

objeto "moeda"

E logo que eu declarar o objeto, logo posso utiliza-lo livremente em ruby. Sem um toque de metaprogramação podemos verificar a seguinte situação:

[jonatas] ~ $ irb
>> def objeto(nome) ; nome ; end
=> nil
>> objeto 'moeda'
=> "moeda"
>> moeda
NameError: undefined local variable or method 'moeda' for main:Object

Não encontrou a variável local? E agora, como nascerá este método! Inicialmente criaremos um objeto anônimo a cada declaração de objetos. E manteremos uma lista dos objetos específicos.

Primeiro, iremos declarar uma váriavel que conterá todos os objetos que serão descritos.

$objetos = {}
class Object
 def objeto(nome)
   $objeto = $objetos[nome] = Object.new 
 end
end

Após este passo, é necessário implementar o método "method_missing" que é responsável por saber a respeito das chamadas do sistema.

Este método é invocado, quando o método não é encontrado na classe, e recebe como parâmetros, um símbolo representando o nome do método, os parâmetros e um possível bloco.

O objetivo de implementar este método, é lidar com situações inesperadas como esta, que está buscando um método que não existe. Neste caso, iremos flexibilizar o uso da linguagem ruby, implementando uma mini-linguagem para descrever um objeto.

$objetos = {}
class Object
 def objeto(nome)
   $objeto = $objetos[nome] = Object.new 
 end
 def method_missing(nome, *args, &block)
   $objetos[nome.to_s] || super
 end
end

Agora já é possível digitar:

objeto "moeda"
moeda
moeda.jogar # NoMethodError: undefined method 'jogar' 

Para descrever o método jogar, é necessário implementar a sintaxe que cria novos atributos ao objeto descrito anteriormente.

def possui(atributos)
  atributos.each do |nome, valor|
    $objeto.instance_variable_set("@#{nome}",valor)
  end
end

Depois que este elemento foi declarado é possivel declarar atributos para o objeto.

Dado que os atributos foram declarados, é necessário poder acessá-los também. Para tornar o acesso público, é necessário alterar a implementação do método "method_missing" para ler os atributos do objeto também.

def method_missing(nome, *args, &block)
  $objetos[nome.to_s] ||
   $objeto.instance_variable_get("@#{nome}") ||
    super
end

O método acima, primeiramente verifica se existe um objeto com o nome, se não tenta buscar uma variável de instância para o objeto a seguir. Caso não encontre a variável então lança a excessão novamente.

 objeto 'carro' 
 possui 'portas' => 4
 possui 'airbag' => 'duplo'
 carro.portas # => 4
 carro.dirigir # NoMethodError: undefined method 'dirigir'

Agora é necessário tomar as ações para que possa "aprender" a dirigir o carro ou "jogar" a moeda. O próximo objetivo então é implementar o método quando determinada ação acontecer, então faça...

A deste método consiste em:

def quando(acao, &block)
  $objeto.class.send(:define_method, acao, &block)
end

Agora, já é possível criar os métodos dinâmicamente para cada objeto. E através da sintaxe:

quando "jogar" {
  sortear :faces
}

Desta forma já é possível utilizar a tão desejada sintaxe:

moeda.jogar

Abaixo segue o exemplo completo do código rodando:

$objetos = {}
class Object
 def objeto(nome)
   $objeto = $objetos[nome] = Object.new 
 end
 def method_missing(nome, *args, &block)
   $objetos[nome.to_s] ||
    $objeto.instance_variable_get("@#{nome}") ||
     super
 end
 def possui(atributos)
   atributos.each do |nome, valor|
     $objeto.instance_variable_set("@#{nome}",valor)
   end
 end
 def quando(acao, &block)
   $objeto.class.send(:define_method, acao, &block)
 end
 def sortear(atributo)
   atributo = $objeto.instance_variable_get("@#{atributo}")
   p atributo[rand(atributo.size)]
 end
end

objeto "moeda"
possui :faces => ["cara", "coroa"]
quando("jogar") {
  sortear(:faces)
}

10.times { moeda.jogar }

Ruby é excepcional para trabalhar com DSL. O domínio específico da linguagem torna as tarefas mais simples e diretas. Isto se trata de expressividade, de melhorar a linguagem para estabelecer uma conversa mais direta e compreensiva. No lado da metaprogramação, torna-se simples de implementar as ideias propostas. A codificação e montagem deste post foi feito em paralelo e em um tempo satisfatório.

ps: se você se interessa por este assunto, leia também meu artigo sobre expressividade da linguagem em http://github.com/jonatas/artigo_elep.


blog comments powered by Disqus
Compartilhar → Twitter Facebook Google+


Olá, sou o Jônatas Davi Paganini e esse é meu blog. Sou programador, tenho alguns projetos no github e escrevo livremente aqui no ideia.me.

Veja minhas talks ou conecte-se via twitter / github / instagram / facebook / linkedin / soundcloud / strava / meetup.