Olá, eu sou o Jônatas, sou sócio da invent.to e sou dev rails na Resultados Digitais.

ps: Sinta-se livre para conversar comigo por email ou gtalk: jonatasdp@gmail.com.

TDC SP here we go :)

Estou muito feliz pois vou participar do The Developers Conference pela terceira vez. Participei da última edição aqui em Florianópolis e agora vou participar em SP.

TDC São Paulo.

Vou ter 3 participações: Cloud computing, impressão 3D e TDC4Kids.

Cloud computing - Quinta feira

Vou falar rápidamente sobre ø downtime migrations e minha experiência na Resultados Digitais com migrações de dados sem interrupção da aplicação ou agendamentos.

Essa experiência gerou até algumas reflexões. Compartilhamos um pouco disso no blog do shipit e agora vou falar pessoalmente sobre o assunto.

Também palestrei na trilha de Cloud computing aqui em Florianópolis junto com o @andrehjr e essa será a segunda vez. Esta é uma oportunidade de participar no meio da semana veio com o meu trabalho na Resultados Digitais que têm o valor de ser out-teach e também é patrocinadora oficial do evento :) Valeu RD!!!

Impressão 3D - Sábado

Estarei na trilha de impressão 3D com a impressora da invent.to trazendo um pouco das nossas batidas de cabeça na parede até conseguir ter sucesso nas impressões com nossa impressora open source.

A ideia é dar umas dicas para ter uma boa impressão em 3D e pequenos detalhes que mudam completamente a qualidade/velocidade de impressão.

Eu quebrei muito a cabeça e desisti abandonando a impressora por semana várias vezes. Pegando de volta e tentando e tivemos bons resultados.

Me sinto um entusiasta quando penso em quão recente têm sido a acessibilidade das impressoras 3D. Tanto por participar da inauguração da trilha no TDC quanto por ter tido a oportunidade de trabalhar com ela.

Saindo das indústrias para dentro dos nossos lares temos a oportunidade de vislumbrar um novo mundo com a impressão 3D. Criando novas maneiras de resolver os problemas do cotidiano com impressão 3D. Entendendo e tentando se adaptar a possibilidade de criar novos mercados e explorar os benefícios dessa tecnologia de agora em diante.

TDC4Kids - Sábado

Essa é inspirada no Lorenzo, meu filho, que sempre brincamos de construir pequenas coisas com meus hardwares. Vou fazer uma máquina de bolhas no TDC4Kids. Infelizmente ele ainda não vai comigo nesta vez mas na próxima quem sabe vamos fazer a máquina de bolhas em conjunto.

A máquina de bolhas atraiu muito a atenção do meu filho. Ele têm 3 anos e sempre me convida para brincar com eletrônica depois que montamos a máquina de bolhas. Já fiz ele jumpear uma breadboard certinho para ligar o motor e fazer a máquina de bolhas funcionar. Ele conseguiu perfeitamente.

Eu fiquei muito empolgado por ele gostar e se entusiasmar tanto com a brincadeira. Então a ideia é compartilhar e ver se outras crianças também se encantam com a tecnologia para brincar.

Nos vemos por lá

Então nos encontramos lá! Vou chegar na quinta e fico até o final do evento! Não deixe de me procurar para bater um papo! Enquanto eu não estiver nas trilhas vou ficar pelo stand da Resultados Digitais com os outros RDevs.



Vida de busão

Já completei três meses na Resultados Digitais e me tornei literalmente um cliente da Consórcio Fenix aqui de Florianópolis. Vou e volto todo dia do trabalho somando 54 km ida e volta. Moro no Ingleses e trabalho no Itacorubi então pego em média 2,5 horas de trânsito por dia. Logo, com uma matemática básica é possível saber que temos 20 dias úteis mês eu significa 50 horas de ônibus por mês. Isso é simplesmente uma QUINTA SEMANA DO MEU MÊS que fico dentro do ônibus.

No começo ficava meio triste de ver as pessoas zombiziando no busão, mas agora não acho que elas estão infelizes ou que aquilo é ruim pra elas só acho que estão aproveitando para dormir mais. Eu ainda não consigo dormir no ônibus. Mas em conta disso já li praticamente 3 livros somente no busão e também estou ouvindo muitos podcasts.

Podcasts

Realmente não consigo escutar podcasts enquanto estou trabahando. Mas no ônibus é muito bom pois é possível escutar em pé com o ônibus balançando, o que é quase impossível de fazer para ler um livro.

Estou ouvindo @rubyrogues, Ruby5, giantrobots e o @grokpodcast para dar uma geral sobre as novidades do ruby e do rails.

E pra dar uma escapada da tecnologia também to aprendendo espanhol com o Learning Spanish Fast.

Online

Nos últimos dias depois de ouvir quase todos os podcasts do passado, ainda assim sobra tempo e estou só ouvindo as mesmas músicas e aproveitando para colocar a casa em ordem: ler e responder todos os emails, acompanhar o hckrnews e outros feeds de tecnologia.

Estar online é muito legal, e enquanto tem banda de internet é possível pra fazer muita coisa apenas com o smartphone.

Eu geralmente aproveito para escolher e publicar algumas das trocentas fotos que eu tiro no instagram, acessar meu facebook e responder emails.

Quando estou no ônibus sempre tenho aquele sintoma de improdutividade e se deixar fico só conectado na internet. Então tento sempre me regrar para não ficar só navegando e deixar os outros consumirem totalmente a minha atenção e tento olhar para dentro e produzir um pouco em offline.

Offline

A vida offine é bem mais difícil no busão e exige mais criatividade e preparo prévio. Ainda tenho dificuldades de manter mais conteúdo para acessar offline. Agora instalei o plugin do google chrome readability que envia os conteúdos que quero ler para o meu kindle e isso é bem legal e eficiente.

Estou pensando em começar a ouvir audiobooks mas ainda não comprei nenhum para iniciar. Já ouvi alguns no passado e curti também. Acho que vou começar pelo The Agile Samurai.

Geralmente tento aproveitar o tempo ócioso de forma criativa. Dentre elas tento:

  • Escrevo pequenas listas de coisas que preciso fazer
  • Detalho pequenas listas de assuntos estilo tópicos/subtópicos da maioria dos posts do meu blog
  • Pesquiso sobre detalhes / ferramentas dos tópicos que estou trabalhando

Esses dias fiquei 45 min dedicados a escrever minha pequena definição estilo mini-bio para falar "quem sou eu?". Não é fácil escrever e pensar em algumas definições. Tava saindo do busão e não tinha conseguido terminar. Foi de faltar estrada pra tanto assunto da minha cabeça.

As vezes preciso fechar os olhos pra me concentrar em algumas coisas de tanta informação e coisas a minha volta que estão tentando tomar a atenção. As mídias, as redes sociais, as pessoas conectadas.

A internet se tornou parte de nosso ciclo de vida e estar offline é muito bom. É como respirar ar puro. É ir para floresta. Um momento gostoso de silêncio.

Nestas horas de busão eu posso sentir isso. Estar isolado e solo. Posso aproveitar esse momento para falar comigo mesmo. Aproveitar para olhar para dentro e conversar comigo. Sempre tento por uma pitada disso em minhas viagens diárias.

E as pessoas?

Também não sou um cara tão anti-social que não conversa com ninguém e só usa fones de ouvido. Tenho conhecido várias pessoas legais no ônibus e quando elas não estão dormindos ou receosas de conversar eu também aproveito para trocar ideias.

Uma pena que só consegui ir e voltar trocando ideias com outras pessoas algumas vezes, pois em geral sinto as pessoas muito indispostas para conversar nos horários que eu vou. Quando vou um pouco mais tarde, o ônibus geralmente vai cheio de senhoras alegres e aí é impossível não conversar pois elas são muito simpáticas e sempre têm assuntos. Já as pessoas mais jovens tem smartphone e fones de ouvido. Então fica aí duas questões polêmicas para se pensar sobre o nosso futuro de ubiquidade tecnológica:

  • Por que a conectividade afasta tanto a juventude do mundo real?
  • Como as novas gerações vão interagir nos meios sociais reais?

E você pega o busão todo dia? Como gerencia seu tempo de busão? Pode contribuir com alguma ideia legal pra aproveitar melhor o tempo no busão?



Perguntas do meu filho de 3 anos

O meu filho Lorenzo está numa fase linda de muitas perguntas engraçadas, esquisitas e tudo mais. Sempre me deparo com as mais diversas perguntas e resolvi anotar algumas para ir registrando pois provavelmente não lembrarei nem da metade daqui uns anos.

  • O que é trabalho?
  • Por que as pessoas tem que trabalhar?
  • Eu trabalho?
  • Pai, já parou de trabalhar?
  • Mãe, por que que tu não tá trabalhando?
  • Mãe, tu só usa essa sandália?
  • De novo nessa padaria mãe?
  • Onde que tá o bombeiro?
  • Por que que na praia tem areia?
  • Por que tem polícia pai?
  • Mãe, eu dou água pro moranguinho mas por que que só cresce matinho?
  • Quando eu crescer quem vai ser minha namorada?

Fico pensativo sobre suas perguntas pois muitas vezes fazem total sentido e outras vezes não sei como ele conseguiu pensar naquilo :)

Selecionei algumas que anotei e resolvi compartilhar. As perguntas do Lorenzo:

O que's

  • O que é vender?
  • O que é amargo?
  • O que é dinheiro?

Ele assiste os desenhos e capta muitas palavras no ar. Então sempre pergunta sobre tudo:

  • o que que é bandido pai?
  • o que o mágico faz? E o que é mágica?
  • o que é um astronauta?
  • o que é morrer?

Os porque's

  • Por que o pai usa óculos de dia?
  • Por que as pessoas usam cinta?

  • Por que os nêne fica na barriga da mãe?

    • e por que a barriga cresce quando o nêne tá lá dentro?
  • Por que é 1,2,3,4?

  • Porque as pessoas não são iguais mãe?

  • Por que as pessoas são diferentes?

    Essa do porquê as pessoas são diferentes é uma que ele pediu mais de 5 vezes

Algumas que só entendi depois de assistir uns desenhos com ele

Por que helicóptero não vira submarino? Por que helicóptero não vai embaixo da água?

Tem um desenho que ele assiste que um submarino vira helicóptero
  • O que é camisola pai?
  • Por que eu não uso camisola?

Ele assiste o Ruca então é tudo português de portugal e o Ruca usa camisola. Então ele queria usar camisola também. Expliquei pra ele que camisola era pijama e ele entendeu :)

Como que...

  • Como que os passarinhos tomam banho?
  • Como que o bombeiro salva as pessoas?
  • Como que eu nasci?

E como responder a essas perguntas?

Sempre é um desafio ensinar e ser simplista, conseguindo dar uma resposta para o nível de compreensão da sua idade. Não vale a pena entrar em conflito e tentar explicar algo complexo ou mesmo difícil.

Quando vou dar uma resposta sempre tenho que lembrar: "ele tem 3 anos" e preciso conversar no vocabulário dele.

Apesar dele entender muito bem a maioria das coisas até mais difíceis que estamos falando, sempre tentamos manter a simplicidade para evitar confusões com o excesso de informações. Pois falar muito com criança não dá tanto resultado. Eles escutam quando querem.

Esses dias rolou a seguinte conversa lá em casa:

j = jonatas
l = lorenzo
t = tania

Estavamos para sair para praia e o Lorenzo tava ansioso para ver o mar.

j: tânia onde está o protetor solar? que vou passar na tatuagem....
t: lá em cima do balcão...
l: pai, vai tomar no cú que tu vai passar o protetor solar na tatuagem?
j: Lorenzo o que você disse?
j: Por que você mandou o pai tomar no cu?
j: Você sabe o que quer dizer isso?
l: ...
j: Se você não sabe você não pode falar.
j: isso é uma palavra feia e de gente grande e você não sabe o significado.
l: ...
j: Quando você crescer e aprender pode escolher se quer falar ou não mas enquanto você é pequeno têm que falar coisas de criança

Papo encerrado. Ele nunca mais falou no assunto. E também sabe outros palavrões mas não fala pois sabe que não é a sua hora.

Estamos ao máximo tentando evitar falar na frente dele mas sempre existem outros meios então como pais conscientes precisamos instruir, conversar e jogar aberto sobre qualquer assunto.

Não existem atitudes ideais, precisamos improvisar, melhorar e sentir o feedback deles o tempo todo. A experiência de ser pai é isso: exige aprender, ensinar, ter paciência e jogar limpo. Sem dogmas.

Ter filho pra mim superou todas as experiência de vida anteriores. Ensinam o que é o amor e relembram a reflexão de por que estamos aqui.

E afinal, por que estamos aqui?